18/08/2009

 

Qual é o impacto econômico da internet? Quanto a rede pode movimentar por ano? Não é uma tarefa fácil descobrir estes números.

Alguns estudiosos acreditam que estas perguntas possam valer milhões de dólares. Para John Quelch, professor da Harvard Business School, esta receita está intimamente ligada à publicidade na web, pois é um forte motor que permite que muitos conteúdos estejam acessíveis a qualquer pessoa.

Quelch tentou chegar a estas respostas ao elaborar um estudo recente para o Interactive Advertising Bureau, entidade de publicidade online. Neste levantamento, o professor utiliza três métodos para verificar a contribuição da publicidade na internet e chegar perto do valor que web representa para economia dos Estados Unidos. Segundo ele, esse valor vem de três principais fontes:

Emprego – A internet gera 3,1 milhões de empregos, sendo 1,2 milhão diretos e 1,9 milhão indiretos nos Estados Unidos. Estas pessoas estão espalhadas em diferentes setores, tais como criação de publicidade, venda de anúncios, construção e manutenção da infra-estrutura, empresas de softwares e usabilidade do site. Cada trabalho ligado à internet equivale a 1,54 emprego gerados em relação a outros setores da economia. Segundo a pesquisa, os salários dessas pessoas chegam a US$ 300 bilhões, ou cerca de 2% do PIB dos Estados Unidos.

Pagamentos – O valor econômico que a internet proporciona diretamente aos americanos é estimado em US$ 175 bilhões, isto compreende US$ 20 bilhões de serviços de publicidade, US$ 85 bilhões de operações de varejo (livre dos custos de transporte de mercadorias), e US$ 70 bilhões de pagamentos diretos aos fornecedores de serviços de internet (provedores). Sem contar, é claro, a atividade econômica indireta que a internet exige. O professor faz o seguinte cálculo: se usar o mesmo indicador de emprego (1,54) para estimar os serviços de apoio da internet, este valor chegaria a US$ 444 bilhões por ano.

Tempo – Independente de acessar no trabalho ou em casa, cerca de 190 milhões de pessoas nos Estados Unidos gastam, em média, 68 horas por mês na internet. De acordo com Quelch, uma estimativa conservadora é que este tempo movimente US$ 680 bilhões (em pagamento a seus provedores de internet, compras online, entre outros fatores). 

O professor da Harvard Business School acredita que há de se considerar também os benefícios das redes sociais, mas, no entanto, acha que esta variante é mais difícil de ser quantificada. A crise, segundo o professor, trouxe uma maior procura pelas redes sociais e comunidades online. Hoje, de acordo com Quelch, 19% de todos os casamentos realizados nos Estados unidos são frutos de pessoas que se conheceram pela rede. “É realmente uma potência econômica”.

Fonte:Época NEGÓCIOS Online

 

Anúncios