» Leitor | 02-11-2010 | Notícias e Posts Diversos

compartilhe

ENVIE POR E-MAIL 0 COMENTÁRIOS

O mundo alcançou um marco na história da tecnologia: ao final de setembro, o número de assinantes de telefones celulares chegou a 5 bilhões de pessoas. Esse número equivale a 73,4% da população mundial. E no final do ano, o número chegará a 5,1 bilhões de assinaturas, aponta estudo realizado pela empresa iSuppi.

No entanto, isto não significa que 3 em cada 4 pessoas vão realmente possuir um celular – a estatística fornecida refere-se a pagamentos de serviços wireless e não apenas ao número de aparelhos. A base real de dispositivos sem fio chegará a “apenas” 4,9 bilhões no final do ano, ainda um número impressionante. Mas, além dos números espantosos, para que servem essas informações?

A forma como as pessoas comunicam-se atualmente no mundo mudou completamente por causa dos celulares, que são capazes de conectar qualquer pessoa, em qualquer lugar, a qualquer momento. A penetração de dispositivos móveis como ferramenta de comunicação tornou significativo o espaço para as atividades de marketing que são feitos sob medida para os interesses do usuário. Com os avanços da tecnologia, várias empresas vêm adotando o mobile marketing como parte de sua estratégia de publicidade.

Há um enorme potencial no aumento das taxas de respostas positivas quando se usa o marketing móvel, principalmente quando comparado às outras formas mais tradicionais de publicidade. Por este motivo, mais e mais executivos estão recorrendo a esses meios para envolver seus públicos-alvo.

Estudos indicam que mensagens curtas, como SMS, MMS e WAP são bem mais eficientes do que o email marketing – a publicidade via mobile é 70% mais lida do que os emails – e esse recurso pode construir a identidade de uma marca, além de aumentar as decisões de compra dos consumidores.

A atitude destes consumidores em relação ao marketing através de mensagens diretas influi (e muito) na decisão de compra, especialmente quando se trata de uma promoção. Como os consumidores só podem receber mobile marketing se permitirem, a tendência é que dêem mais atenção à publicidade das companhias que adotam este tipo de plataforma do que àquelas que utilizam o email.

Os aplicativos para smartphones são uma outra forma de mobile marketing. Estes apps estão muito em voga, principalmente em BlackBerrys, iPhones e Androids, e são apresentados em diferentes formas, além de cobrirem uma grande variedade de interesses. Porém, uma coisa é comum nos aplicativos móveis: todos eles estão abertos à publicidade. Quer um exemplo bem recente? A cadeia de fast food Burger King lançou um aplicativo para iPhone que permite aos clientes encontrarem o seu restaurante mais próximo, além de admitir que seus usuários compartilhem sua localização através do Facebook.

Como é possível perceber, todas as formas de mobile marketing estão crescendo e mudando a cada dia. É importante manter-se em dia com as tendências para maximizar seus lucros. Quem sabe qual novo tipo de marketing será possível fazer quando conectado com novas descobertas tecnológicas?

Claúdia Valls é analista de mídias sociais e colaboradora do iDigo – Núcleo de Inteligência Digital, que promove o curso Estratégia de Comunicação para Mobile, no dia 30 de novembro, no Rio de Janeiro.Mais informações nowww.idigo.com.br.

Anúncios