Em todo planejamento de MKT é indispensável ter no plano de curto prazo o desenvolvimento de alguma função mobile para seu produto ou serviço, independente do segmento de atuação sempre haverá algo que possa ser feito para plataforma móvel e essa presença em dispositivos móveis poderá impulsionar, seja comercialmente, seja institucionalmente a sua marca.

Roger

Pesquisa descobriu que os aplicativos tomam 85% do tempo de uso em smartphones

Marcelo| ››

06 de Junho de 2011 • 04:33

O uso de aplicativos está cada vez mais à frente da web móvel, pelo menos 6 vezes, segundo estudo divulgado pela empresa de análise Zokem. Conduzida em abril deste ano, a pesquisa descobriu que os aplicativos tomam 85% do tempo de uso em smartphones. O acesso à web via navegadores móveis detém apenas 15% do tempo de uso.

Nos tablets os hábitos de uso são um pouco diferentes, com 61% do tempo para aplicativos e 39% com navegação na web.

A explicação é simples, afirmam os pesquisadores. Na tela do smartphone, as questões de usabilidade são mais avançadas nos apps do que nos sites móveis. Na tela dos tablets, este problema é inexistente.

Na dúvida faça os dois

O que traz mais retorno? Criar um site móvel ou um aplicativo?

A dúvida, comum de quem planeja iniciar uma presença online, é irrelevante. A afirmação é da consultoria Forrester, em seu mais recente relatório. Segundo a empresa, não basta eleger somente uma das opções.

Isto porque ao escolher criar um aplicativo, as empresas tiram vantagem de suas integrações com o dispositivo (agenda, acelerômetro, bússola, entre outros). Já a opção por mobile sites cobre as necessidades de pesquisa e aprofundamento de informação. Ou seja, as duas opções precisam coexistir.

“Sessenta por cento dos consumidores norte-americanos que baixam aplicativos também acessam a internet móvel diariamente.

Além disso, 63% dos usuários de iPhone acessam sites móveis todos os dias”, aponta o documento. A questão passa a ser, afirma a Forrester, qual dos dois modelos terá prioridade na agenda de desenvolvimento. E a resposta varia de acordo com o consumidor. Para heavy users, aplicativos. Para uma audiência maior, sites móveis.

“No mundo de multi conexões e multi dispositivos, os estrategistas precisam criar um relacionamento com o cliente e entregar uma experiência digital contínua em vários dispositivos conectados”, avalia a empresa.

http://www.proxxima.com.br/proxxima/mobile/noticia/20110604-Apps-seis-vezes-mais-populares-que-websites.html

Anúncios